" O grande homem é o homem livre" - Kung-Fu-Tse (Confúcio - 孔夫子)
A liberdade de imprensa é talvez a liberdade que mais tem sofrido pela degradação da idéia da liberdade.
Albert Camus

"Atrás da anonímia se alaparda a covardia, se agacha o enredo, se ancora a mentira, se acaçapa a subserviência, se arrasta a venalidade."
Rui Barbosa

Meus textos

domingo, 9 de janeiro de 2011

Comentário sobre o Aborto

Comentário sobre o Aborto

Néventon Vargas

Apesar de ser radicalmente favorável à vida, penso que na opinião do Sr. Gerson Monteiro (http://extra.globo.com/noticias/religiao-e-fe/gerson-monteiro/) existe uma omissão: O Espiritismo não "condena" e, portanto, todos temos a liberdade da escolha. Mesmo o aborto é considerado na seguinte questão de O Livro dos Espíritos:

359. Dado o caso que o nascimento da criança pusesse em perigo a vida da mãe dela, haverá crime em sacrificar-se a primeira para salvar a segunda?

"Preferível é se sacrifique o ser que ainda não existe a sacrificar-se o que já existe."

O pensamento cristalizado das religiões impede que se veja além, hipervalorizando a vida na matéria. Os Espíritos que responderam a Kardec não são tão pragmáticos. Vejam alguns exemplos em O Livro dos Espíritos:

346. Que faz o Espírito, se o corpo que ele escolheu morre antes de se verificar o nascimento?

"Escolhe outro."

a) -Qual a utilidade dessas mortes prematuras?

"Dão-lhes causa, as mais das vezes, as imperfeições da matéria."

...

351. No intervalo que medeia da concepção ao nascimento, goza o Espírito de todas as suas faculdades?

"Mais ou menos, conforme o ponto, em que se ache, dessa fase, porquanto ainda não está encarnado, mas apenas ligado. A partir do instante da concepção, começa o Espírito tomado de perturbação, que o adverte de que lhe soou o momento de começar nova existência corpórea. Essa perturbação cresce de contínuo até ao nascimento, Nesse intervalo, seu estado é quase idêntico ao de um Espírito encarnado durante o sono. À medida que a hora do nascimento se aproxima, suas idéias se apagam, assim como a lembrança do passado, do qual deixa de ter consciência na condição, de homem, logo que entra na vida. Essa lembrança, porém, lhe volta pouco a pouco ao retornar ao estado de Espírito."

...

358. Constitui crime a provocação do aborto, em qualquer período da gestação?

"Há crime sempre que transgredis a lei de Deus. Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por isso que impede uma alma de passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando."

...

360. Será racional ter-se para com um feto as mesmas atenções que se dispensam ao corpo de uma criança que viveu algum tempo?

"Vede em tudo isso a vontade e a obra de Deus. Não trateis, pois, desatenciosamente, coisas que deveis respeitar. Por que não respeitar as obras da criação, algumas vezes incompletas por vontade do Criador? Tudo ocorre segundo os seus desígnios e ninguém é chamado para ser juiz."

...

Concluindo, o argumento de que "abortistas" defendem quem "matar seres indefesos" é simplista e não reflete a opinião geral.

"Legalização do aborto" é diferente de "descriminalização do aborto". A pura e simples "descriminalização" não legaliza nada; apenas retira da lei onde está escrito que "constitui crime". A pura e simples "legalização" - do tipo "É lícito qualquer indivíduo provocar aborto" - é impensável.

A questão da saúde pública é muito simples: os dados estatísticos colhidos se referem à morte de mulheres, oriunda de abortos em condições adversas. O número de abortos clandestinos é uma estimativa estatística baseada em pesquisas cujos métodos são amplamente estudados, debatidos e aperfeiçoados constantemente nas ciências exatas para uso das inexatas, uma vez que são imprescindíveis em diversas áreas do conhecimento.

Dogmas nunca deveriam comandar as sociedades!

Geralmente quando se colocam uns contra outros, como neste caso de abortistas contra não-abortistas, os resultados são insatisfatórios porque acabam esquecendo o fundamento principal da discussão, que, em síntese, é o aperfeiçoamento das instituições para melhorar as condições de vida do ser humano. Uns e outros acabam perdendo-se em discussões estéreis em detrimento das energias criadoras que impulsionam o progresso.

Seria insano defender a morte de qualquer ser vivo, mas quem mata tem direito à defesa.

A serpente que engoliu um indefeso passarinho está plenamente justificada! Meu veredito é: INOCENTE!

O homem mentalmente sadio e consciente que retirou da natureza um passarinho implume, provocando-lhe a morte, não se justifica! Meu veredito é: CULPADO!

Minha "verdade", entretanto, é parcial e meu direito de culpar ou inocentar alguém é extremamente subjetivo porque calcado em princípios e concepções próprias inaceitáveis como parâmetros definitivos para quaisquer correntes filosóficas atuais, uma vez que todas as verdades seriam transitórias e reformáveis no tempo e no espaço, conformando-se ao contexto.

Por tais razões que a utilidade da religião está exclusivamente nos seus aspectos morais, de foro íntimo, sendo incompatível com a liberdade de pensamento, expressão e ação, especialmente no que se refere à dinâmica social.

Nenhum comentário: